Tecnologia japonesa transforma dejetos de vacas leiteiras em biocombustíveis

O esterco e a urina de milhares de vacas leiteiras na ilha de Hokkaido, no Japão, em breve poderão alimentar instalações em toda a região com uma tecnologia revolucionária, inventada no Japão, que os transforma em biocombustíveis líquidos ecologicamente corretos. Kei Okubo, professor de fotoquímica orgânica na Universidade de Osaka, desenvolveu a tecnologia, que produz metanol e ácido fórmico, causando zero emissão de dióxido de carbono (CO2). 

Okubo assinou um acordo em 9 de fevereiro com Kazutoshi Hazama, o prefeito de Okoppe Hokkaido, e outras partes interessadas para instalar uma planta piloto em Okoppe dentro de dois anos. A fornecedora líder de gás industrial Air Water Hokkaido Inc. e a empreiteira Iwata Chizaki Inc., ambas de Sapporo, também estão fazendo parceria com a Okoppe e a universidade para construir a planta na cidade costeira de Okhotsk.

Segundo estimativas da universidade, a conversão dos dejetos corporais de 10.000 vacas leiteiras do município em metanol poderia cobrir a energia consumida por todos os estabelecimentos públicos da cidade, todas as fábricas de processamento de pescado e quase 70% das leiterias das fábricas.

Isso não é tudo. Embora o Japão agora importe todo o seu metanol, de acordo com Okubo, 20% poderia ser reposto se os excrementos de todas as vacas leiteiras do país fossem transformados em biocombustível. A planta piloto pode ser dimensionada em escala comercial durante o ano fiscal de 2024, no mínimo. O plano de negócios está programado para se expandir para outras áreas dentro e fora de Hokkaido no ano fiscal de 2030 ou mais tarde.

As informações são do Agrolink (Milkpoint).

Foto: Rogério Cassimiro/Ed. Globo

Compartilhe:

Mais Notícias

Rolar para cima